Sólida infra-estrutura e advogados
            especializados na área previdenciária.

Lesões da Voz e o INSS
O assunto hoje interessa a todos os professores, locutores, telefonistas, vendedores... Enfim, todas as pessoas que fazem da voz a sua ferramenta de trabalho.
Saiba +
Artigos

Quem paga o salário?
Publicado no Jornal Comércio da Franca do dia 24/10/2014, Seção Opinião e Debates, pág. 02 (disponível também em http://gcn.net.br/noticia/268397/opiniao/2014/10/quem-paga-o-salario)
Escrito por: Tiago Faggioni Bachur. Colaboração de Fabrício Barcelos Vieira. Advogados e professores especialistas em Direito Previdenciário



Se o empregado está doente ou se acidenta, deve se afastar de suas atividades, fazer o tratamento até que volte a ficar apto. Tem, durante o período, direito de receber auxílio-doença do INSS. Se recuperar a saúde, não podendo executar o mesmo serviço, mas puder fazer outro, cabe à Previdência reabilitá-lo, ensinando-lhe nova atividade. O auxílio-doença não cessa enquanto a pessoa não recuperar à saúde ou for reabilitada.
 
Entretanto, pode ser que o segurado tenha alta do INSS mesmo sem estar em condições de voltar ao trabalho. Ao procurar a empresa, pode ser que seja impedido de retornar ao trabalho. Afinal de contas, se está doente e a empresa aceita, o empregador sabe que correrá riscos se a doença agravar ou acontecer algo pior. A responsabilidade, com o aceite, é do patrão. O empregado doente poderá, então, não receber nem da empresa, nem do INSS. 
 
É certo que se o segurado ingressar com ação contra o INSS e for comprovado na Justiça que ele realmente estava inapto para o trabalho, receberá o respectivo benefício por incapacidade e todos os valores que não foram pagos na época própria. Porém, infelizmente, ações contra o INSS não são tão rápidas. Nem todos os juízes concedem tutela antecipada para receber o benefício do INSS, e o pagamento pode se dar só no fim do processo. O que adianta receber meses ou anos atrasado, se o trabalhador e sua família precisam se alimentar no tempo presente?
 
Uma saída para tais casos é ingressar com ação na Justiça do Trabalho contra o empregador que rejeitou o retorno do trabalhador. Os juízes trabalhistas têm entendido que existe responsabilidade social do empregador, que deve manter seu funcionário caso o INSS não lhe pague respectivo benefício por incapacidade. Por outro lado, se comprovada a falha do INSS e a empresa arcou com os salários do empregado doente por decisão judicial, nada impede que seja proposta ação regressiva do empregador contra o INSS. Em caso de dúvidas, procure um especialista.
 
---------
Tiago Faggioni Bachur
Colaborou Fabrício Barcelos Vieira, advogados especialistas Direito Previdenciário
-----------------

-------------------

EM BREVE - os textos publicados no JORNAL COMÉRCIO DA FRANCA em um livro:




Acompanhe nossos informativos e Aguarde!!!

Logo, mais novidades...



BACHUR & VIEIRA - advogados


acesse: www.bachurevieira.com.br
Escritório: Rua Couto Magalhães, 1846 e 1850 - CEP 14.400-020 - Fone (16) 3403.3468 e 3025-0503 - Franca/SP


Mantenha-se informado em tudo o que acontece na área previdenciária. Acesse www.bachurevieira.com.br.
Notícias previdenciárias atualizadas diariamente





Voltar


Rua Couto Magalhães, nº 1846 e nº 1850
Centro - Franca/SP - CEP 14400-020
Fone (16) 3403-3468 - 3025-0503

Todos os direitos reservados
Desenvolvido por