Sólida infra-estrutura e advogados
            especializados na área previdenciária.

Lesões da Voz e o INSS
O assunto hoje interessa a todos os professores, locutores, telefonistas, vendedores... Enfim, todas as pessoas que fazem da voz a sua ferramenta de trabalho.
Saiba +
Artigos

Salário Maternidade para desempregada
Publicado no Jornal Comércio da Franca do dia 22/05/2015, Seção Opinião e Debates, pág. 02 (disponível também em http://gcn.net.br/noticia/286751/opiniao/2015/05/salario-maternidade)
Escrito por: Tiago Faggioni Bachur. Colaboração de Fabrício Barcelos Vieira. Advogados e professores especialistas em Direito Previdenciário



Muitas pessoas não sabem mas quem está desempregado pode ter direito a salário maternidade. Isso porque, quando a pessoa é demitida ou para de pagar, não perde a qualidade de segurado imediatamente. 
 
O trabalhador permanece ‘coberto’ por certo período, que vai de 6 a 36 meses, dependendo da forma que ele contribuía para o INSS e do tempo trabalhado.
 
Em outras palavras, se alguém der a luz ou adotar uma criança hoje, e deixou de contribuir com os cofres do INSS há três anos, poderá ter direito a receber o salário maternidade. 
 
Vale lembrar que o salário maternidade é o benefício pago pelo INSS durante 120 dias para a segurada ou segurado (pelas leis atuais, o homem também pode receber) que dá a luz, adota ou obtém guarda para fins de adoção. 
 
O valor será a média dos últimos 12 meses para quem é autônomo ou facultativo. 
 
Para o doméstico será o valor da última remuneração, limitado ao teto previdenciário (que hoje é R$ 4.663,75). 
 
Para o empregado, será também o valor da última remuneração, porém, pode ser maior que o teto.
 
Quem estava desempregado ou parou de contribuir e não pediu na época, pode ter direito de receber o benefício. 
 
Em regra, embora o prazo de revisão seja de dez anos, o prazo para pedir o benefício que ficou para trás é de até cinco anos, por causa da prescrição.
 
O trabalhador deve ficar atento. O cálculo da Previdência Social pode conter erros e prejudicar a concessão do benefício. 
 
Como já destacado, de acordo com a lei o valor do benefício deveria ser a última remuneração recebida pelo trabalhador. Todavia, o INSS costuma considerar a inexistência de salário para o desempregado e acaba pagando só um salário mínimo como salário maternidade. 
 
Nessa hipótese, também cabe revisão. Em caso de dúvidas, procure a ajuda de um especialista.
 


Publicado originalmente com o título: Salário Maternidade
-------
Tiago Faggioni Bachur
Colaborou Fabrício Barcelos Vieira, advogados especialistas em Direito Previdenciário

-----------
------
Os textos publicados no JORNAL COMÉRCIO DA FRANCA agora em um livro:




Acompanhe nossos informativos e Aguarde!!!

Logo, mais novidades...



BACHUR & VIEIRA - advogados


acesse: www.bachurevieira.com.br
Escritório: Rua Couto Magalhães, 1846 e 1850 - CEP 14.400-020 - Fone (16) 3403.3468 e 3025-0503 - Franca/SP


Mantenha-se informado em tudo o que acontece na área previdenciária. Acesse www.bachurevieira.com.br.
Notícias previdenciárias atualizadas diariamente





Voltar


Rua Couto Magalhães, nº 1846 e nº 1850
Centro - Franca/SP - CEP 14400-020
Fone (16) 3403-3468 - 3025-0503

Todos os direitos reservados
Desenvolvido por