Sólida infra-estrutura e advogados
            especializados na área previdenciária.

Lesões da Voz e o INSS
O assunto hoje interessa a todos os professores, locutores, telefonistas, vendedores... Enfim, todas as pessoas que fazem da voz a sua ferramenta de trabalho.
Saiba +
Artigos

O Lado Mais Fraco
Publicado no Jornal Comércio da Franca do dia 17/06/2016, Seção Opinião e Debates, pág. 02 (disponível também em http://gcn.net.br/noticias/324160/opiniao/2016/06/o-lado-mais-fraco)
Escrito por: TIAGO FAGGIONI BACHUR. Colaboração de Fabrício Barcelos Vieira. Advogados e professores especialistas em Direito Previdenciário



O que acontece se o empregador deixa de recolher contribuições para o INSS, ou não faz a anotação na Carteira de Trabalho? Em casos tais, se o Ministério do Trabalho, o INSS, a Receita Federal e os demais órgãos fiscalizatórios foram omissos, o trabalhador não pode ser prejudicado.

 

Dessa forma, independentemente do ingresso, ou não, de ação trabalhista contra o empregador, quem efetivamente laborou, não pode, jamais, ser lesado.

 

Pelo menos, deveria ser assim, mas, na prática, a teoria é outra. Se o segurado vai pedir aposentadoria, mesmo que tenha o registro na carteira o INSS, maioria das vezes, tem exigido do segurado, não do patrão, prova do pagamento. Isso está completamente errado.

 

Ao empregado cabe, apenas e tão somente, a prova do exercício do trabalho. Se houve (ou não) recolhimento de contribuições previdenciárias, o problema é do INSS, da Receita Federal e dos demais órgãos envolvidos.

 

Afinal, quem tem poderes para fiscalizar, arrecadar, executar, inscrever na dívida ativa, enfim, fazer tudo o que está na lei, é a administração pública, não o coitado do trabalhador.

 

Nesse ponto, aliás, a Justiça vem reconhecendo o direito do obreiro que não teve registro, ou ficou sem contribuições previdenciárias. Basta apenas que o segurado prove que trabalhou.

 

O mesmo raciocínio pode ser aplicado a atividade insalubre. O empregador deveria dar para o funcionário, um laudo conhecido como PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário), que mostra as atividades nocivas. No entanto, muitos PPPs não condizem com a realidade. Pior: pode ser que a empresa não exista mais, e que não há laudos.

 

Se a fiscalização de órgãos públicos for omissa, não pode o trabalhador ser punido.

 

Infelizmente, quanto ao PPP, o INSS não age assim, nem sempre a própria Justiça pensa dessa maneira; e, não raras vezes, o prejuízo fica para quem trabalhou em atividade nociva. Isso precisa mudar.

 

 /////////////////////////////////////////////

Tiago Faggioni Bachur

Colaborou Fabrício Barcelos Vieira, advogados especialistas em Direito Previdenciário



-------------






BACHUR & VIEIRA - advogados


acesse: www.bachurevieira.com.br
Escritório: Rua Couto Magalhães, 1846 e 1850 - CEP 14.400-020 - Fone (16) 3403.3468 e 3025-0503 - Franca/SP


Mantenha-se informado em tudo o que acontece na área previdenciária. Acesse www.bachurevieira.com.br.
Notícias previdenciárias atualizadas diariamente!






Voltar


Rua Couto Magalhães, nº 1846 e nº 1850
Centro - Franca/SP - CEP 14400-020
Fone (16) 3403-3468 - 3025-0503

Todos os direitos reservados
Desenvolvido por