Sólida infra-estrutura e advogados
            especializados na área previdenciária.

Lesões da Voz e o INSS
O assunto hoje interessa a todos os professores, locutores, telefonistas, vendedores... Enfim, todas as pessoas que fazem da voz a sua ferramenta de trabalho.
Saiba +
Artigos

Economia para o INSS?
Publicado no Jornal Comércio da Franca do dia 23/09/2016, Seção Opinião e Debates, pág. 02 (disponível também em http://gcn.net.br/noticias/333569/opiniao/2016/09/economia-para-o-inss)
Escrito por: Tiago Faggioni Bachur. Colaboração de Fabrício Barcelos Vieira. Advogados e professores especialistas em Direito Previdenciário




 

 

Esta semana, o governo disse que mesmo antes de começar a operação “pente-fino”, mais de 53 mil benefícios por incapacidade foram “cortados” pelo INSS, gerando economia de R$ 916 milhões.

 

No início do ano, objetivando reduzir gastos, foi apresentado pelo INSS um plano para o Ministério do Orçamento, assumindo compromisso de revisar 500 mil auxílios-doenças e 700 mil aposentadorias por invalidez.

 

Em julho, o governo editou a Medida Provisória nº 739 para acelerar esse plano, pagando gratificação para os médicos do INSS de R$ 60,00 por perícia de revisão e permitindo sua realização fora de sua jornada de trabalho, inclusive aos sábados. Essa operação foi apelidada de “pente-fino”.

 

De fato, há muita gente recebendo que já recuperou a saúde. Por outro lado, muitos benefícios foram concedidos pela Justiça. E aqui cabe um parêntese.

 

O critério usado pelo INSS não é o mesmo da Justiça. Em regra, quem procurou o Judiciário foi porque a perícia da Previdência disse que a pessoa estava apta. A sentença Judicial, após análise criteriosa, concluiu que o INSS “errou” e que deveria pagar a aposentadoria por invalidez ou o auxílio.

 

Ora, se antes o INSS disse que o cidadão estava em condições para trabalhar (e a Justiça entendeu o contrário), será que nessa nova avaliação a Previdência não vai cometer o mesmo “erro”?

 

Quem teve o benefício cortado indevidamente vai procurar o Judiciário novamente. Não há tantos juízes para os novos processos, gerando atraso nesses julgamentos.

 

Se for procedente o pedido para restabelecer o benefício, o INSS pode recorrer e o cidadão só receberia mais tarde. Os valores impagos na época própria serão corrigidos até o final. Além disso, há outros gastos até o fim da ação, como papéis, Judiciário, servidores etc. Essa conta, certamente, ficará para o próximo Presidente e será paga por todos nós. O INSS está economizando, adiando a conta ou contraindo mais dívidas?

 

 

Tiago Faggioni Bachur

Colaborou Fabrício Vieira. Advogados e professores especialistas em Direito Previdenciário


....................






BACHUR & VIEIRA - advogados


acesse: www.bachurevieira.com.br
Escritório: Rua Couto Magalhães, 1846 e 1850 - CEP 14.400-020 - Fone (16) 3403.3468 e 3025-0503 - Franca/SP


Mantenha-se informado em tudo o que acontece na área previdenciária. Acesse www.bachurevieira.com.br.
Notícias previdenciárias atualizadas diariamente!





Voltar


Rua Couto Magalhães, nº 1846 e nº 1850
Centro - Franca/SP - CEP 14400-020
Fone (16) 3403-3468 - 3025-0503

Todos os direitos reservados
Desenvolvido por