NOTÍCIAS

RÁDIO PREVIDÊNCIA: Secretário Rolim fala sobre acidentes de trabalho, incluindo os de trajeto
12-01-2011

Tempo de áudio - 6min52seg

11/01/2012 - 16:53:00



Ouça o áudio

LOC/REPÓRTER: O número de acidentes de trabalho no Brasil apresentou uma redução em 2010. No entanto, desde 2004, o número de acidentes de trajeto vem aumentando a cada ano. Quem fala sobre esse assunto é o secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim.

LOC/REPÓRTER: Secretário, desde quando se observa uma redução no número de acidentes de trabalho?

TEC/SONORA: Secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim

"Em relação aos acidentes de trabalho como um todo houve uma redução em 2010. É bom lembrar que a partir de 2007, com o Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário, nós passamos a identificar número maior de acidentes de trabalho que antes não eram identificados. O instrumento anterior era exclusivamente a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) feita pela empresa. A partir dessa mudança, quando o trabalhador vai ao INSS buscar um benefício e se constata que aquele benefício é um acidente de trabalho, então esse benefício também vai ser incluído na estatística de acidentes de trabalho. Uma parcela considerável dos acidentes de trabalho são identificados dessa forma. Em 2010, no conjunto total de acidentes de trabalho, houve uma redução. A gente não costuma comparar séries muito longas em função dessa mudança que teve em 2007. De 2007 pra cá nós tivemos um aumento e em 2010 houve uma redução".

LOC/REPÓRTER: E com relação aos acidentes de trajeto?

TEC/SONORA: Secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim

"Porém, especificamente no caso de acidente de trajeto vem ocorrendo um aumento, ano a ano, assim como nos acidentes de trânsito como um todo, infelizmente. Em 2010 houve um aumento, em 2009 também. Já é um movimento que infelizmente vem de bastante tempo. De 2004 pra cá nós observamos um incremento considerável nos acidentes de trajeto".

LOC/REPÓRTER: O que caracteriza um acidente de trajeto?

TEC/SONORA: Secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim

"São os acidentes de trânsito em que o trabalhador está indo da sua residência para o trabalho ou voltando do trabalho para sua residência. Nos acidentes ocorridos diretamente no local, no ambiente de trabalho, houve uma redução".

LOC/REPÓRTER: Há uma previsão do gasto da Previdência com acidentes de trajeto?

TEC/SONORA: Secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim

"Olha, nós não temos um número específico de gastos apenas com acidentes de trajeto. Nós temos um dado global de despesas com acidentes de trabalho e temos um dado global, uma estimativa de gastos com acidentes de trânsito como um todo. Porque nem todo acidente de trânsito é acidente de trajeto. Uma parcela considerável desses acidentes são em outros momentos da vida dos segurados. Então, o nosso gasto com acidentes de trânsito em geral, a nossa estimativa, em 2011, é algo em torno de R$ 8,6 bilhões. Isso não considerando apenas os acidentes ocorridos naquele ano, porque um acidente gera um benefício, em muitos casos, por vários anos. Então quando o segurado morre e tem um dependente ele vai gerar uma pensão por morte. Quando ele fica inválido, vai gerar uma aposentadoria por invalidez. E quando a consequência é menos grave e ele fica sem trabalhar por um determinado tempo, gera um auxílio doença. Então as aposentadorias por invalidez antecipam em média em torno de 15 anos a aposentadoria daquele trabalhador. E a pensão por morte também tem uma duração média de 15 anos. Então nós temos muitos benefícios causados por acidentes que são benefícios que foram concedidos há 15 anos ou até mais".

LOC/REPÓRTER: Secretário, na sua opinião, quais os fatores que contribuem para o aumento no número de acidentes de trânsito?

TEC/SONORA: Secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim

"O brasileiro melhorou a sua renda e ele está com mais acesso a adquirir seu veículo. Mas não é só isso. Esse é, sem dúvida, um dos principais fatores, mas também, junto com isso, a imprudência no trânsito. Infelizmente a imprudência é muito grande. A quantidade de acidentes de trânsito no Brasil ela é exagerada, é incompatível com a quantidade de veículos que o país tem se compararmos com outros países com características similares. Nós temos uma quantidade de acidentes de trânsito muito grande".

LOC/REPÓRTER: O número de acidentes com moto é muito grande?

TEC/SONORA: Secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim

"Nos preocupa muito os acidentes com motos. As motos, embora sejam apenas um quarto da frota, elas são responsáveis por algo em torno de 67% de invalidez permanente causada por acidentes de trânsito. E mais de 50% das mortes. Então nos preocupa muito e exige toda uma campanha de concentração no trânsito para que as pessoas tenham mais responsabilidade no trânsito e que se tenha uma política mais cuidadosa, mais atenciosa em relação às motos, em função de o acidente de moto sempre ter uma consequência mais séria".

LOC/REPÓRTER: Há uma estimativa sobre o número de acidentes de trajeto em 2011?

TEC/SONORA: Secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim

"Em 2011 ainda não fechamos os dados porque nós somamos, como eu te falei, os dados da CAT com os dados obtidos nas gerências do INSS, é feito um processamento da Dataprev, nós não temos os dados finais ainda. Agora, eu posso te antecipar que, infelizmente, aumentou, em 2011, o número de acidentes. Aumentou consideravelmente. Em 2011, além de ter aumentado os números absolutos, o ritmo acelerou".

De Brasília, Talita Lorena

 

 

 

Fonte: INSS (11-01-2011)